quarta-feira, 25 de junho de 2008

A Outra (The Other Boleyn Girl)

Uma palavra para descrevê-lo: mamerda!
Isso é que dá dar asas a quem não sabe voar.
Justin Chadwick, acostumado a dirigir obras shakesperianas para novelas e séries para a BBC, ficou completamente perdido ao ter que comprimir um livro de 400 páginas em 115 minutos de filme que, sinceramente, parecem durar uma eternidade.
A história foi destorcida de tal maneira que Philippa Gregory, autora do romance, se arrependeu amargamente de ter cedido o seu romance para a adaptação, ou pelo menos deveria. Se eu, mesmo sendo fascinada pela dinastia Tudor, tivesse visto o filme antes de conhecer o livro, definitivamente, jamais o leria.
Andando no ritmo de um seriado, o filme não prende a atenção do espectador a não ser nos últimos 10 minutos, em que se passa uma cena tão forte e tão aterrorizante, que qualquer amador seria capaz de deixar o público chocado.
O bom elenco fez atuações indiferentes, não por falta de talento, mas devido à distorção de personalidade sofrida pelas personagens.
Ana Bolena deixa de ser uma mulher excepcional, astuta e soberba e é retratada como uma mulher baixa e descontrolada. Do começo ao fim do filme, só em uma cena é possível ter um breve deslumbre de quem ela realmente foi. Maria é levemente parecida com a original: insossa e influenciável. George, personagem interessantíssimo, aparece em umas duas cenas. E o principal: não é apresentada a evolução do poder de Henrique VIII, como ele passou de um rei justo, amável e submisso à Ana para um soberano absolutista. No filme, ele a odeia mesmo antes do casamento, chegando quase a estuprá-la, o que nunca aconteceu. Pelo contrário, ela o tinha em suas mão graças à paixão que ele sentia por ela.
Então você pensa, um filme que se passa em plena corte inglesa do século XVI, no qual foram gastos 35 milhões de dólares e que teve Sandy Powell como figurinista, ganhadora do Oscar por obras primas como Shakespeare Apaixonado, Gangues de Nova Iorque, Aviador e Os Infiltrados deve ter um bom figurino pelo menos. Ledo engano meus caros, as roupas deixam a desejar, as irmãs Bolena se vestem sempre iguais no filme, sempre o mesmo vestido pobre de cetim, que parece que foi tingido de acordo com cada cena do filme.
E a trilha sonora... parecia música ambiente retirada de um cd qualquer.

Se quiser ver uma boa trama, assista The Tudors, a série. Você não vai se arrepender. E não pense que eu não gostei do filme porque sou fã do livro, nada disso. É ruim mesmo.

3 comentários:

Lucelia disse...

Está muito equivocado quem acha o filme ruim. Eu adorei, e todos os atores são bons.
Eu sou apaixonada por romances embora este,tem um final trágico.

daysa disse...

8v1 daisa
Eu vi esse filme com minha irmã que ama filmes conteporaneos.
Eu sinceramente não tenho muito a dizer pois naõ tenho custume de ver esses filmes.Mais minha irmã afirma que gostou muito desse romance apesar de ter algumas falhas.
Eu gostei também achei interessante afinal foi um dos romances que consigui ver todinho.
Eu não tive a oportunidade de ler o livro pra afirma as falhas do filme mais se a senhora afirma que houve distorções quem sou eu né.
Minha irmã ainda afirma que acistiria novamente.

natalia almeida disse...

Eu adorei o filme, nunca li o livro, mas já li muito sobre Ana Bolena e eu simplesmente a admiro. Ana não deixa de ser astuta, inteligente por ser uma mulher baixa de maneira alguma, ela era os dois e todo mundo sabe, é inegável. Nem por isso deixo de gostar dela e não acho que a atuação de Nstalie Portman tenha sido ruim, a atuação de Eric Bana pode ser questionável em alguns pontos do filme, mas não por culpa dele, talvez, por causa do roteiro. Além disso, o livro é sempre melhor que o filme.